Ajudamos Pessoas e Empresas a se Protegerem contra Ações Mal Intencionadas no Meio Digital para Minimizar Prejuízos.

Contato

Atendemos remotamente em todo o Brasil

Malware e Outras Ameaças
O que são malware e como se proteger

Em linhas gerais, o malware, também conhecido como software malicioso, é um termo abrangente que engloba qualquer programa ou código malicioso prejudicial ao computador ou demais sistemas (incluindo os dispositivos mobile). Desse modo, o malware é caracterizado pelas suas intenções maliciosas, e não pela técnica ou tecnologia específica utilizada para desenvolvê-lo.

Entre os malwares mais conhecidos, estão o Adware, Spyware, Trojan, Worms, Ransonware e os já conhecidos vírus. Embora exista um equívoco ao confundir todo tipo de malware como vírus, este último diz respeito aos programas indesejados que invadem um sistema sem o consentimento do usuário e, quando executados, se replicam e modificam os códigos e programas do computador ou dispositivo móvel. Em outras palavras, podemos classificar todos os vírus como Malware; entretanto, nem todo Malware é um vírus.

Os tipos de Malware

Agora que você já sabe o que significa um Malware e como ele engloba uma série de ameaças aos seus dispositivos, está de hora de nomear e explicar alguns desses softwares maliciosos!

Os worms são softwares maliciosos autônomos que se reproduzem e espalha de um computador para outro. A forma mais fácil e comum de um worm se propagar é através de uma rede, gerando perdas de dados e arquivos. O que distingue os worms de outros malwares é a sua capacidade de operar de forma autônoma.

Já os famosos vírus, como explicamos anteriormente, são trechos de códigos maliciosos que se inserem em algum outro aplicativo e, quando executados, forçam esse programa a efetuar uma ação mal-intencionada e se espalhar. Um vírus é capaz de danificar ou assumir o controle total de um computador.

Já o Trojan, conhecido popularmente como Cavalo de Tróia, já causou muita dor de cabeça em grande parte da população que utiliza algum dispositivo móvel ou PC. O trojan geralmente se disfarça de algum programa que o usuário necessita e o induz a ativá-lo. Uma vez ativado, este tipo de malware pode causar graves danos ao seu sistema, pois ganham acesso não autorizado ao dispositivo, e, com isso, roubar informações pessoais, espalhar outros tipos de malware ou até mesmo obter acesso aos seus dados financeiros!

O Adware é um malware geralmente relacionado aos anúncios da web do seu navegador. Nesses casos, os anúncios buscam fazer download dos softwares maliciosos através de propagandas tentadoras, como programas e jogos “gratuitos”. Os Adwares estão no meio digital há bastante tempo, e estão constantemente sendo aprimorados com instalações mais forçadas sem o consentimento e ciência do usuário.

Por outro lado, o Spyware pode ser classificado como o malware que possui o objetivo de reunir os dados de um usuário sem que ele saiba. Em outras palavras, ele é capaz de espiar o seu comportamento ao utilizar um dispositivo, incluindo as informações enviadas e recebidas pelo usuário. Um spyware também é capaz de registrar as teclas digitadas pelo usuário, mecanismo amplamente usado para roubo de senhas e dados de cartões de crédito – nesses casos de registro das teclas, o spyware é conhecido como keylogger.

Na sequência, temos o Ransomware. Para muitos, esse malware é um dos maiores perigos do meio digital, pois possui a clara intenção de lhe causar prejuízos financeiros. Em linhas gerais, o ransomware é um tipo de malware que criptografa os arquivos do seu disco rígido e exige um pagamento, geralmente em Bitcoin, em troca da chave de descriptografia. A escolha do Bitcoin como forma de pagamento também não é aleatória: a criptomoeda não é tão simples de ser rastreada! Embora existam centenas de ameaças de ransomware pela web, defender de um não é simples e certamente lhe renderá muita dor de cabeça!

Agora que já te mostramos os malwares mais conhecidos do meio digital, separamos alguns outros desconhecidos por muitos, mas que definitivamente merecem sua atenção:

O primeiro deles é o Rootkit, um malware que utiliza ferramentas para obter acesso de administrador no seu sistema e, dessa forma, conseguir se ocultar para você. Assim, os invasores usam rootkits para ocultar malware em um dispositivo de uma forma que permite que ele persista sem ser detectado ao longo do tempo, às vezes por anos. A depender dos danos causados, o rootkit pode propiciar o roubo de dados, privacidade, além de vigiar suas atividades, por exemplo.

O Criptojacking, ou “mineração maliciosa de criptomoeda”, é um tipo de malware cada vez mais comum, graças ao aumento de popularidade das criptomoedas. Em linhas gerais, o criptojacking é maneira pela qual os invasores podem forçar um usuário a fornecê-los Bitcoins ou qualquer outra criptomoeda – só que funciona sem que você necessariamente saiba. Geralmente utilizando Trojans, essa prática transfere suas criptomoedas para as contas dos invasores, causando-lhe sérios prejuízos financeiros.

Por fim, o Malvertising é o uso de anúncios ou redes de anúncios legítimos para entregar secretamente malware aos computadores de usuários desavisados. Normalmente, os cibercriminosos compram espaço publicitário em sites confiáveis ​​e, embora seus anúncios pareçam legítimos, eles possuem um código malicioso escondido dentro deles que infecta seu sistema com diferentes outros tipos de malware. Outro risco do Malvertising é que sua instalação ocorre pelo que chamamos de “drive-by download”, ou seja, a ameaça (seja um programa ou qualquer download, por exemplo) é instalada sem o consentimento do usuário.

Mas, afinal, como saber se fui infectado por um Malware?

Nem todos os ataques de malware são visíveis e de ciência do usuário. O invasor de Ransomware, por exemplo, deixa claro as intenções em cobrar resgastes por seus dados. Contudo, devido ao grande número de tipos de infecções por malware, muitas vezes pode ser difícil identificar se o seu dispositivo foi alvo de ataque. Por isso, separamos aqui algumas dicas que te auxiliarão a identificar um malware e, em seguida, preparamos um guia para que você elimine de vez os softwares maliciosos dos seus dispositivos! Vamos lá?

  • Lentidão no seu dispositivo

Uma das principais queixas de usuários afetados por malware é a lentidão do dispositivo, seja ele um PC, tablet ou mobile. A lentidão pode afetar diversos setores do seu sistema, desde a inicialização até o uso cotidiano de aplicativos e do navegador.

  • Anúncios ou janelas pop-up em excesso

Embora anúncios e pop-ups sejam comuns durante a navegação na web, o excesso pode sinalizar alguma infecção por malware. Cuidado com os anúncios que aparecem alguns segundos depois que uma página da web é carregada! Em muitos casos, tais inconvenientes aparecem mesmo quando você não estiver navegando na web.

Muitos invasores utilizam de conteúdos adultos ou qualquer serviço gratuito para atrair os usuários a clicarem nos anúncios e se infectarem com algum malware.

  • Mudanças repentinas no comportamento do seu sistema

Esse aspecto pode parecer um pouco óbvio, mas é pouco alertado ao público. Mudanças repentinas anormais no seu dispositivo, como alterações de cores, alterações no comportamento do seu navegador e na página inicial, por exemplo, podem indicar possíveis ataques de malware.

  • Repentina falta de espaço de armazenamento

Mudanças inesperadas no armazenamento do seu dispositivo também podem ser um indício de infecção por malware, seja no seu dispositivo mobile, PC ou tablet! Se, de uma hora para outra, você não possui armazenamentos disponíveis, possivelmente houve um ataque de software malicioso.

  • Mudanças no seu navegador

Em muitos casos, malwares instalam plugins, extensões e novos itens na barra de ferramentas do seu navegador sem o seu consentimento. Fique atento também às mudanças na página inicial – se, por exemplo, seu navegador te direciona ao Google como página inicial e, de repente, ele é alterado por um site desconhecido e suspeito.

  • Erros no sistema

É muito comum que erros inesperados ocorram em sistemas infectados. Fique atento às famosas telas azuis ou desligamentos e travamentos súbitos!

E como me proteger de uma infecção por malware?

A melhor ferramenta para evitar um ataque malicioso é a prevenção. Para isso, é de extrema importância que você evite acessar links e sites suspeitos/desconhecidos. No caso dos dispositivos móveis, não baixe aplicativo de terceiros, ou seja, que não sejam diretos do Google Play ou Apple Store.

Evite também clicar em anúncios ou pop-ups que aparecem repentinamente no seu navegador. É válido reafirmar que todos os dispositivos móveis também são suscetíveis à infecção de malware, incluindo os aparelhos iOS. Embora os dispositivos da Apple apresentem um maior nível de segurança, e a infecção direta se torne mais difícil, invasores ainda podem aplicar golpes através mensagens SMS, e-mails ou chamadas telefônicas, por exemplo. Já os usuários do Android estão mais propícios a serem alvos de crimes digitais, pois, além das questões de segurança, o sistema é mais utilizado ao redor do mundo e, consequentemente, sua popularidade o torna um alvo mais fácil para os invasores. Dispositivos móveis ainda apresentam um risco adicional, pois, caso você o utilize para transações bancárias, um invasor consegue roubar sua autenticação de dois fatores, por exemplo.

A melhor maneira de se proteger de um malware é tendo uma boa solução antimalware instalado em seus dispositivos. Nós da Defesa Virtual utilizamos e recomendamos o McAfee Total Protection ou o Kaspersky Total Security, pois oferecem um excelente custo-benefício e são capazes de proteger os mais diferentes tipos de dispositivos. Caso queira pagar ainda mais barato em uma proteção eficiente, separamos as melhores ofertas do mercado, que você pode conferir clicando aqui.

Caso tenha alguma dúvida, você pode conferir as 11 razões para utilizar um bom antivírus, e evitar que sua segurança e privacidade sejam expostas no meio digital.

Se você chegou até aqui, não se esqueça de comentar e compartilhar com seus amigos! Esperamos que você tenha uma vida on-line segura e tranquila. Até a próxima!

Autor

Lucas Santana

Cofundador do Defesa Virtual, mestrando, autor e revisor de conteúdos. Meu objetivo é desenvolver materiais especializados e auxiliar pessoas e empresas a se protegerem no meio digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *